O PUDOR COMO PASTOR DO SER: REFLEXÕES SOBRE A SEXUALIDADE EM CHAVE PERSONALÍSTICA

Autores

  • Massimo Pampaloni

DOI:

https://doi.org/10.20911/21768757v37n102p225/2005

Palavras-chave:

Pudor, sexualidade, personalismo, Soloviev, Wojty³a

Resumo

Partindo de uma reflexão fenomenológica em chave personalística, o autor propõe a leitura do pudor em duas direções fundamentais. Por um lado, o pudor intervém em situações de “crise”, revelando um lado obscuro do eros. Por outro lado, ele não se limita a ser um “freio” ou um “sinal de perigo”, antes revela o outro e o si mesmo como não redutíveis a puro-objeto-de prazer. Assim, retira do ser-outro o véu da objetivação à qual é reduzido quem é objeto de um olhar despudorado. Nesse sentido, o autor propõe, contra a concepção banal e redutiva da sexualidade, uma resgate do pudor próprio como guardião e pastor do núcleo irredutível da pessoa e de sua dignidade.

ABSTRACT: From the perspective of a phenomenological reflection in a personalista approach, the author proposes an interpretation of pudency in two fundamental directions. On the one hand, modesty intervenes in situations of “crisis”, revealing the dark side of eros. On the other hand, it is not a “brake” nor a “signal of danger”, but rather it reveals the other and the self as not limited to a purelypleasure-object. So, it takes away the veil of objectification from the other-being who was reduced to an object of a wanton stare. In this sense, against a banal and reductive conception of sexuality, the author proposes a retrieval of self prudency as a guardian and shepherd of the person's irreducible core and dignity.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2005-01-01

Como Citar

PAMPALONI, Massimo. O PUDOR COMO PASTOR DO SER: REFLEXÕES SOBRE A SEXUALIDADE EM CHAVE PERSONALÍSTICA. Perspectiva Teológica, [S. l.], v. 37, n. 102, p. 225, 2005. DOI: 10.20911/21768757v37n102p225/2005. Disponível em: https://www.faje.edu.br/periodicos/index.php/perspectiva/article/view/393. Acesso em: 18 maio. 2024.